Líder da Bancada do PT pede ao Ministério Público afastamento do secretário de Educação

2015-12-02 00:00:00 | Comentários:

A bancada do Partido dos Trabalhadores na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, por meio de seu líder, o Deputado Estadual Geraldo Cruz, entregou representação ao Ministério Público pedindo o afastamento do secretário de educação Herman Jacobus Cornelis Voorwald.

Os principais motivos para a petição são a “desastrosa reorganização da rede estadual de educação, a conduta inadequada para a divulgação expressa das mudanças propostas pela secretaria e a convocação da PM para atuar na desocupação de escolas”.

O pedido de reintegração de posse das escolas ocupadas é classificado como “desastroso”, já que as ocupações consistem num movimento que questiona as políticas públicas, adotadas pelo governo estadual, sem o objetivo de obter a posse definitiva dos imóveis.

A secretaria da Educação mobilizou a Polícia Militar para atuar nas escolas ocupadas. De acordo com a representação, “além de absurda e inadequada, a secretaria viola o bom senso e decisão judicial ao tratar como caso de polícia a ocupação das escolas. Isso mostra que o secretário Herman Voorwald menospreza a educação paulista, o que foi confirmado quando ele, no último dia 25/11, em entrevista a Radio CBN, disse ter vergonha dos resultados [de educação] de São Paulo”.

Por isso, a bancada do PT, manifestada pelo seu líder, o deputado Geraldo Cruz, se posiciona contra a permanência do secretário estadual, Herman Jacobus Cornelis Voorwald, à frente da gestão da educação paulista e pede providências para que ele seja afastado do cargo, além de responsabilizado por gestão ineficiente.

A proposta do governo estadual indica que já em 2016 algumas escolas da rede passarão a ser divididas em ciclos: Ensino Infantil, Ensino Fundamental – Anos Iniciais e Anos Finais – e Ensino Médio. Todo o processo afeta 35 municípios paulistas, sendo que, em todo o estado, 311 mil alunos terão de mudar de escola, além de 74 mil professores.

Comentário

Envie seu comentário

Erros no formulário