Secretário de Energia de SP abandona reunião da Comissão de Infraestrutura na Alesp

2014-04-01 00:00:00 | Comentários:

Numa atitude inédita na Assembleia Legislativa, o secretário de Energia de São Paulo, José Aníbal, retirou-se intempestivamente de reunião da Comissão de Infraestrutura (26/3), da qual o deputado Geraldo Cruz é membro titular, convocado para prestar informações sobre o desenvolvimento de ações, programas e metas de sua pasta e deixando de responder indagações que estavam sendo feitas por representantes do PT.

“Um desrespeito ao Poder Legislativo e uma prova de que os atuais integrantes do governo tucano paulista agem de forma truculenta quando são questionados sobre possíveis irregularidades ou falhas administrativas nos órgãos públicos que estão sob sua gestão”, afirmou o deputado Geraldo Cruz, lembrando ainda que a maioria do público presente ao evento era composta pela alta hierarquia dessa secretaria de Estado, “restando a pergunta: se todos estavam aqui, quem é que respondia pelas diretorias de uma área vital para o Estado, que é o setor de geração de energia?”

O presidente da comissão, deputado Alencar Santana, também mostrou indignação com o abandono da reunião do secretário de Energia: “Sabemos que ele tem o pavio curto, mas não imaginávamos que seria capaz de, ao ser questionado pelo nosso colega do PT, deputado Antonio Mentor, se levantar e sair, demonstrando o pouco caso que faz com este Parlamento e seus membros”.

Mentor utilizou a mesma linha de raciocínio ao criticar o ato perpetrado pelo também deputado federal, José Aníbal, que deve deixar a secretaria nas próximas semanas, prazo para a desincompatibilização dos políticos que pretendam a reeleição: “Não pode, um representante eleito pela sociedade, ter tal tipo de comportamento, pois é sua obrigação prestar contas e detalhar as ações da secretaria sob seu exclusivo comando”.

No início da reunião, a maioria presente da base governista já havia rejeitado dois requerimentos de informação que pretendiam ouvir ex-dirigentes do Metrô, CPTM e empresas envolvidos em denúncias de recebimento de propina e sobre formação de cartel.

Comentário

Envie seu comentário

Erros no formulário