Rodoviária de Embu fecha com chave de ouro mês de inaugurações da prefeitura

2013-09-06 00:00:00 | Comentários:

DSC_0336

Rodoviária de Embu fecha com chave de ouro mês de inaugurações da prefeitura

Com um show memorável do maestro João Carlos Martins e os aplausos de uma multidão estimada em 3 mil pessoas, a rodoviária de Embu das Artes foi inaugurada no sábado, dia 24, pelo prefeito Chico Brito. Com 18 plataformas de embarque e desembarque e capacidade operacional de 150 partidas diárias para mais de 40 destinos, a rodoviária já tem contrato com 14 empresas de ônibus e vai operar, a princípio, em rotas para o litoral paulista, estados do Norte e Nordeste, Paraná e Santa Catarina. A expectativa é de que o terminal, que custou R$ 4,8 milhões, realize 100 mil saídas mensais beneficiando a população de Embu das Artes e das cidades da região. 

O evento marcou o encerramento do “agosto espetacular”, período em que a prefeitura inaugurou duas academias públicas de musculação, iniciou o programa Remédio em Casa, entregou a primeira parte do programa Minha Casa Minha Vida e cobriu, com grama sintética, o campo de futebol do Jardim Santo Eduardo. A rodoviária que chamou a atenção pela beleza e pela decoração de bom gosto, que imita as fachadas do casario colonial da cidade – fechou com chave de ouro o mês de obras e inaugurações da prefeitura.   

O projeto de uma rodoviária para Embu das Artes começou em 2001, com o então prefeito, e hoje deputado estadual, Geraldo Cruz, que adquiriu um terreno de 10 mil metros quadrados na avenida Elias Yazbek. Em 12 anos, o projeto sofreu vários revezes: foi desacreditado pela oposição, criticado por ambientalistas e, em alguns momentos, ridicularizado por parte da população, devido aos sucessivos adiamentos da obra. A inauguração de sábado, em grande estilo, encerrou de vez as dúvidas, calou os críticos e somou pontos importantes à administração municipal.

Estrategicamente marcada para ser inaugurada no dia do seu aniversário, o prefeito Chico Brito não poderia ter um presente melhor. Embu amanheceu ensolarada e, às 10 horas da manhã, horário marcado para a inauguração, o local estava tomado de gente. O clima era de festa: palhaços, malabaristas e atores recepcionavam as pessoas na entrada da rodoviária. Aos poucos, o palco foi ocupado pelos músicos da Orquestra Bachiana, que aguardavam o maestro João Carlos Martins. Nas primeira fila, esperando o início do show, o prefeito e esposa, a secretária da Assistência Social Daniela Almeida Brito, e um número incalculável de fotógrafos e de políticos.

Música seleta - Bastante aplaudido e dizendo-se orgulhoso por estar numa cidade que “cultiva as artes”, o maestro fez jus à fama e emocionou o público com um repertório seleto, que variou de composições populares (Baden Powell e Astor Piazzolla) a peças clássicas (Mozart). O ponto alto foi a execução da Ave Maria, de Bach/Gounod, num arranjo para piano e violino. Depois, o maestro tocou acompanhado da Orquestra Municipal de Embu das Artes e, em seguida, o compositor Tobias, da Escola de Samba Vai Vai, animou os presentes cantando Trem das Onze, de Adoniran Barbosa.

Após a apresentação musical, começaram os discursos dos políticos; e o palco, que minutos antes abrigava uma orquestra, ficou pequeno. Prefeito, vice, secretários, deputados, vereadores de Embu das Artes e das cidades vizinhas disputavam o espaço na esperança de serem vistos pela multidão. Annis Neme Bassith, primeiro prefeito do município logo após a emancipação de Itapecerica, juntamente com a pesquisadora e artista plástica Raquel Trindade, foram convidados a subir ao palco.

Primeiro a discursar, o secretário de Governo, Paulo Giannini, lembrou a importância da rodoviária para a região. Chico Brito, visivelmente emocionado, agradeceu a presença do público, contou as dificuldades que a administração municipal enfrentou para inaugurar a rodoviária e fez promessas: “Até o final do nosso mandato vamos entregar ao povo da região uma Universidade Pública Federal no Parque da Várzea.” Geraldo Cruz, fugindo às suas características, estendeu-se nos comentários e recordou com entusiasmo os dias em que a ideia de um terminal rodoviário era motivo de piada na cidade.

Para o vice-prefeito Natinha “ter uma rodoviária na nossa região é um sonho”. Já o senador Antônio Carlos Rodrigues (PR-SP), convidado a prestigiar o evento, ao falar sobre os avanços do município, disse: “Embu das Artes está crescendo tanto que em breve vai se chamar Embu das Indústrias.” O comentário não foi bem recebido pelo público da cidade, que tem orgulho de seus artistas.

A festa terminou com a distribuição de 40 passagens ao público. Após o descerramento da fita, os moradores espalharam-se pelas dependências da rodoviária enquanto a Orquestra Municipal, bastante afinada, dava uma canja.

Comentário

Envie seu comentário

Erros no formulário