Geraldo Cruz cobra Secretaria de Segurança sobre repressão em protestos pacíficos nos estádios de futebol

2016-05-16 00:00:00 | Comentários:

O Deputado Estadual Geraldo Cruz encaminhou Requerimento de Informação sobre o motivo que leva a Polícia Militar do Estado de São Paulo a não aceitar protestos pacíficos em estádios de futebol.

Enviado em 15 de março do presente ano, o documento indaga o porquê de a PM agir de tal forma, contrariando a Constituição Federal e sendo truculenta e arbitrária. Além disso, Geraldo Cruz exige saber de quem partiu a ordem para retirar faixas e qual a razão que leva a PM a não aceitar protestos pacíficos em estádios de futebol.

Os dizeres nas faixas diziam respeito à Operação Alba Branca, levada a efeito pelo Ministério Público de São Paulo, que investiga esquema de superfaturamento e corrupção na venda de alimentos para a merenda escolar, com o pagamento de propina para a obtenção de contratos com a Secretaria de Educação estadual. O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Fernando Capez (PSDB), teve seu nome citado como um dos beneficiários por dirigentes de uma cooperativa de pequenos produtores situada em Bebedouro, interior do Estado de São Paulo.

Ieros Aradzenka, coronel da PM e Chefe de Gabinete do Comandante-Geral, respondeu, alegando como motivos para as atitudes repressivas tomadas que, “dado o contexto de emoção, rivalidade e, em determinadas partidas, de hostilidade, esse controle recebe uma preocupação diferenciada”. As partidas citadas no Requerimento ocorreram no Estádio Santa Cruz e no Estádio Conde Rodolfo Crespi, localizados em Ribeirão Preto e na capital, respectivamente, com baixa capacidade de público.

Para o deputado Geraldo Cruz, “é importante que a Polícia Militar zele pela segurança dos torcedores, mas nós, do legislativo, não aceitaremos a censura de manifestações pacíficas, sendo pró ou contra o governo nacional ou estadual. As torcidas dos times de futebol, assim como qualquer pessoa neste país, têm total liberdade de se expressar”.

Comentário

Envie seu comentário

Erros no formulário