Mandato de Líder do PT ficou marcado pela oposição propositiva e fiscalizadora

2016-03-24 00:00:00 | Comentários:

Empossado em 15 de março do ano passado, o deputado Geraldo Cruz deixou, nesta semana, a liderança do Partido dos Trabalhadores na Assembleia Legislativa de São Paulo. Foram 12 meses no cargo, que agora é ocupado pelo deputado Zico Prado.

Geraldo Cruz, no papel de líder, buscou junto aos secretários do governo estadual implantar medidas aprovadas pelo conjunto dos deputados da bancada do PT em benefício da população do Estado. Um exemplo disso foi a oposição cerrada contra as medidas de reestruturação do ensino no Estado, por parte do ex-secretário de educação, Herman Voorwald, que pretendia fechar mais de 90 escolas do estado, até obter a suspensão do projeto e a saída do secretário de sua pasta.

Mais recentemente, com a deflagração da Operação Alba Branca, que apurou o envolvimento de três cooperativas de agricultura familiar formando um cartel em pelo menos 152 municípios do Estado para vencer licitações fraudulentas, o deputado se empenhou para a abertura da CPI da Máfia da Merenda. Até o momento, apenas 24 parlamentares assinaram o pedido, mas são necessários 32.

Enquanto líder, Geraldo Cruz priorizou a educação, lutando por melhores salas de aula para alunos e professores, pelo aumento do salário dos docentes e apoiando os estudantes secundaristas na luta contra a reorganização escolar, proposta pelo Governo do Estado.

O deputado, no papel de fiscalizador, cobrou do governo estadual o não andamento das obras da Linha 4 – Amarela do Metrô e buscou junto ao Ministério Público de SP informações sobre as investigações do “Trensalão”, caso em que o MP busca provas de que altos funcionários do governo de São Paulo receberam propina para beneficiar a empresa Alstom, multinacional que mantém contratos bilionários com o Metrô e CPTM.

Comentário

Envie seu comentário

Erros no formulário